Notícias

0 2003 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 

GERAL - “Greve agrava situação”, diz Correios sobre paralisação de funcionários

12 de março de 2018

A greve nacional dos funcionários dos Correios iniciada às 0h, desta segunda-feira (12), “só serve para agravar ainda mais a situação”, avalia a empresa. Os trabalhadores decidiram parar contra uma alteração no plano de saúde e no acordo coletivo de trabalho, que vale até o dia 31 julho.

A paralisação é nacional e tenta defender o acordo coletivo, que ainda está no prazo. A direção dos Correios entrou com um pedido de dissídio no TST (Tribunal Superior do Trabalho) pedindo alteração na cláusula que trata do Plano de Saúde dos Trabalhadores. A mudança exclui pais e mães da assistência.

O protesto foi uma deliberação da Federação Nacional da categoria para defender o acordo, informa a presidente do Sintect-MS (Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Mato Grosso do Sul), Elaine Regina Oliveira. Além da alteração no plano, os trabalhadores apontam suspensão de férias de todos os funcionários e desligamentos por meio de Planos de Demissões Incentivadas.

O Correios de Campo Grande se posicionou por meio da assessoria de imprensa admitindo que a greve é um direito do trabalhador,mas que desta vez pode agravar a situação. A empresa destacou ainda que a paralisação afeta não apenas a empresa, mas também os próprios empregados.

“Esclarecemos à sociedade que o plano de saúde, principal pauta da paralisação anunciada pelos trabalhadores, foi discutido exaustivamente com as representações dos trabalhadores, tanto no âmbito administrativo quanto em mediação pelo Tribunal Superior do Trabalho e que, após diversas tentativas sem sucesso, a forma de custeio do plano de saúde dos Correios segue, agora, para julgamento pelo TST”.

Conforme a nota, o Correios disse que aguarda uma decisão do tribunal para tomar as medidas necessárias, mas ressalta que já não consegue sustentar as condições do plano, concedidas no auge do monopólio, quando os Correios tinham capacidade financeira para arcar com esses custos.

Para atender toda a população, os Correios adotam um plano de contingência conforme a situação de cada unidade. A legislação prevê que até 30% dos empregados podem aderir à greve.

 

08 - Volte Sorrir

Fonte: Campo Grande News


Comentários










Digite o código abaixo:

Trocar imagem


Essa notícia ainda não foi comentada.


« anterior [1] 2 3 4 5 6 7 8 próximo »
14/12/2018 - EDITAL DE PROCLAMAS Nº 251514/12/2018 - JUSTIÇA - Assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes completa 9 meses14/12/2018 - SEGURANÇA - Com aplicativo e câmeras, PRE vai monitorar rodovias "inteligentes" de MS14/12/2018 - CULTURA - Ameaçado de prisão, médium propõe trabalhar sob supervisão policial14/12/2018 - EDITAL DE PROCLAMAS Nº 2.51314/12/2018 - ECONOMIA - Governo e municípios podem receber R$ 109 milhões14/12/2018 - SAUDE - Mais Médicos não preenche nem metade das vagas em MS13/12/2018 - PARANAÍBA - Festiva de Natal e encerramento do ano letivo no CEP/APAE13/12/2018 - EDITAL DE PROCLAMAS Nº 251213/12/2018 - CIENCIA - Governador assina hoje o Decreto Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação13/12/2018 - SEGURANÇA - Azambuja quer câmeras com reconhecimento óptico em cidades da fronteira13/12/2018 - ECONOMIA - Aprovada redução de imposto de renda para indústrias em MS13/12/2018 - CRIME ORGANIZADO - PF faz operação para ampliar investigações no Ministério do Trabalho13/12/2018 - JUSTIÇA - Justiça de Abadiânia decidirá sobre pedido de prisão de João de Deus12/12/2018 - ESTADO - Com Sérgio Moro, Reinaldo Azambuja reforça pautas de “combate ao crime organizado” no Brasil12/12/2018 - JUSTIÇA - Juíza da Capital é a primeira desembargadora eleita por merecimento12/12/2018 - MEIO AMBIENTE - Brasil atinge meta de redução de emissões de carbono na área florestal12/12/2018 - POLITICA - Governadores discutem hoje segurança pública; Moro deve participar11/12/2018 - EDITAL DE PROCLAMAS Nº 251111/12/2018 - ATENTADO - Atirador mata 4 na Catedral de Campinas e se mata