Notícias

0 2003 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 

CAPITAL - Morte de Mayara deve ser julgada como latrocínio, defende procuradora

16 de março de 2018

A 1ª Procuradoria de Justiça Criminal de Mato Grosso do Sul defendeu que musicista Mayara Amaral foi vítima de latrocínio - roubo seguido de morte - e que por isso, o caso deve voltar a ser julgado pela 4ª Vara Criminal de Campo Grande. Luis Alberto Bastos Barbosa está preso pelo assassinato há oito meses e desde então, uma “batalha” jurídica é travada para determinar a qualificação do crime.

Desde novembro do ano passado, quando o juiz Aluízio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, discordou do juiz da 4ª Vara Criminal e entendeu que a morte da musicista se tratava de um latrocínio, a decisão de onde o suspeito será julgado passou ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

No dia 5 de março deste ano, a procuradora Jaceguara Dantas da Silva se manifestou e defendeu que a morte de Mayara foi planejada e não resultado de um “ataque de fúria” como alegou Luís. O documento enviado aos dois juízes - da 4ª Vara Criminal de Campo Grande e da 2ª Vara do Tribunal do Júri - foi anexado ao processo na terça-feira (13).

Para a procuradora, Luís agiu de forma fria, meticulosamente calculada. “Tanto é que no dia seguinte após a morte da vítima Mayara Amaral, transportou o corpo desta até a região conhecida como "Inferninho", deixou-o no local e, por fim, ateou fogo no mesmo, levando consigo o produto do crime de latrocínio”, defendeu.

A procuradora ressaltou ainda que depois do crime, o suspeito procurou Anderson Sanches Pereira para vender o carro roubado de Mayara por R$ 1 mil, ficando com os outros pertences da vítima: um notebook, um celular, um violão, uma guitarra e um aparelho amplificador, avaliados em aproximadamente R$ 17.300,00.

“Esse quadro fático não reflete a conduta de uma pessoa tomada por ódio ao matar alguém de forma abrupta e indesejada, num ataque de fúria, mas descreve a atitude de alguém que matou outrem para roubar seus pertences”, escreveu. Jaceguara ainda defendeu que todo o depoimento de Luís se trata de “tese meramente defensiva”.

Por fim, a procuradoria defendeu que Luís deve ser julgado por latrocínio agravado pelo motivo torpe e contra mulher como quem mantinha relacionamento afetivo e não homicídio qualificado, e por isso se manifestou a favor de que o processo volte a 4ª Vara Criminal.

Entenda -Mayara foi morta a golpes de martelo em um motel na madrugada do dia 25 de julho, e teve o corpo abandonado e carbonizado em uma estrada vicinal na região do Inferninho, na saída de Campo Grande para Rochedo.

Luís está preso desde o dia 27 de julho quando foi surpreendido por equipes da Polícia Civil, e preso em flagrante pela morte da musicista de 27 anos. Na data, outros dois suspeitos de participação foram presos também, Ronaldo da Silva Olmedo, de 30 anos e Anderson Sanches Pereira.

Após versões contraditórias, o suspeito acabou confessando que matou Mayara sozinho, durante uma discussão. Ele alegou ainda que estava sob efeito de drogas e teve um rompante de raiva.

Por conta disso, e pelas faltas de provas, o Tribunal de Justiça livrou Anderson e Ronaldo das acusações de envolvimento no assassinato.

 

Auto Elétro Modelo 710 150

Fonte: Campo Grande News


Comentários










Digite o código abaixo:

Trocar imagem


Essa notícia ainda não foi comentada.


« anterior [1] 2 3 4 5 6 7 8 próximo »
15/10/2018 - INTERIOR - Ciclista fica em estado grave depois de ser atropelado por caminhonete15/10/2018 - INTERIOR - Jovens são presos com R$ 10 mil em notas falsas e supermaconha na mala15/10/2018 - CAPITAL - Ação heroica de idosa de 82 anos evita tragédia após brincadeira com fogo15/10/2018 - CAPITAL - Motorista foge para não pagar gasolina, é perseguido e polícia atira contra carro15/10/2018 - POLÍTICA - Bolsonaro planeja implantar trabalho do DOF nas demais fronteiras do Brasil15/10/2018 - TEMPO - Previsão de sol entre nuvens e possibilidade de chuva para esta segunda-feira em MS15/10/2018 - POLÍTICA - ‘É preciso definir o papel de cada um’, diz Dagoberto ao admitir problemas na campanha de Odilon15/10/2018 - POLÍTICA - Campanha ao Governo de Mato Grosso do Sul pode custar até R$ 14,7 milhões15/10/2018 - POLÍTICA - MDB terá semana decisiva para definir como vai apoiar candidatura de Odilon15/10/2018 - CAPITAL - Rapaz de 18 anos morreu atropelado ao tentar entrar em ônibus no terminal15/10/2018 - FRONTEIRA - Sétimo caso só no feriado, jovem é executado em frente à esposa15/10/2018 - CAPITAL - Bandidos invadem agência na Rua 14 de Julho e arrombam cofre10/10/2018 - JUSTIÇA - Réu por espancar e atropelar ex-esposa enfrenta júri só de mulheres09/10/2018 - POLÍTICA - Raio-x do voto: Reinaldo venceu em 66 cidades, Mochi em sete e Odilon em 509/10/2018 - POLÍTICA - "Assusta animais": prefeito veta fogos de artifícios em eventos do município09/10/2018 - JUSTIÇA - Presidente do TRE é afastada por ajudar filho suspeito de tráfico09/10/2018 - JUSTIÇA - Comarca de Inocência selecionará estagiários de Direito09/10/2018 - ELEIÇÕES 2018 - “Fui carregado nos ombros por gigantes”, diz Barbosinha sobre sua reeleição09/10/2018 - EDITAL DE PROCLAMAS N° 246909/10/2018 - EDITAL DE PROCLAMAS N°2468