Notícias

0 2003 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 

ECONOMIA - Governo de MS contesta dados federais e diz que não está insolvente

08 de novembro de 2018

SAD descarta que Mato Grosso do Sul corra risco de insolvência devido a gastos com servidores. (Foto: Divulgação)

A SAD (Secretaria de Estado de Administração) contestou informações do Tesouro Nacional em relação à saúde financeira da máquina pública e negou que Mato Grosso do Sul corra risco de insolvência –isto é, de ficar sem recursos para cumprir com suas obrigações. A informação é de que, embora o Estado esteja acima do chamado “limite prudencial” da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) relativo aos gastos com servidores, a situação está sob controle.

Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo publicada nesta quarta-feira (7) aponta que 16 Estados e o Distrito Federal descumpriram a LRF no ano passado, gastando mais com servidores do que a lei permite –incluindo Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, que vem enfrentando neste ano dificuldades para pagar o pessoal. Em 2016, foram nove Estados nesta condição.

“Existem vários cálculos, isso depende da base de cálculo adotada. Estamos acima do limite prudencial da LRF, mas não chega a este quadro”, afirmou Édio Viegas, titular da SAD. “Preferimos trabalhar com nossos balanços”, prosseguiu.

Diferente de outros Estados que enfrentam crises econômicas, Mato Grosso do Sul manteve em dia os pagamentos ao funcionalismo da ativa e aos aposentados e pensionistas desde janeiro de 2015 –quitando a obrigação sempre antes do quinto dia útil. O fato foi destacado várias vezes pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que disse também manter em dia obrigações com fornecedores e referentes a serviços da dívida pública.

Em 28 de setembro, o Estado publicou balanço atualizado de receitas e despesas apontando que os gastos totais com pessoal compreendiam 48,4% da RCL (receita corrente líquida, o total das receitas estaduais descontadas obrigações constitucionais –como repasses a municípios), ou R$ 5,1 bilhões no intervalo de setembro de 2017 a agosto de 2018. O limite máximo da LRF é de 49% dessa receita, enquanto o prudencial é de 46,55% e o de alerta, 44,1%.

Limites – Segundo o Estadão, as administrações não podem gastar mais de 60% com pessoal, incluindo a folha de aposentados e pensionistas, o que coloca em risco as finanças e aumenta o risco de insolvência. Segundo a reportagem, o percentual comprometido em Mato Grosso do Sul chega a 77% (o quinto maior do país), índice rebatido por Viegas.

A reportagem afirma que alguns Estados deixam de incluir nos gastos com pessoal despesas como as aposentadorias e auxílios, com aval dos Tribunais de Contas, a fim de evitar sanções da LRF.

A destinação de recursos para quitação da folha acaba por retirar dinheiro destinado para serviços básicos sob gestão estadual. Documento do Tesouro Nacional citado pelo jornal aponta que, caso não sejam revistos os parâmetros constitucionais atuais, “há grande risco de ampliação das situações de insolvência nos próximos anos”.

Ouvido pelo Estadão, o economista Raul Velloso afirma que o relatório do Tesouro não conta toda a história do endividamento dos governos estaduais, creditando o problema na folha ao pagamento de aposentadorias –cabendo aos governadores traçarem estratégias para reverterem gastos crescentes. Fábio Klein, especialista do setor, frisa que os gastos com servidores são despesas obrigatórias e de difícil redução, mas que geram problemas futuros com o envelhecimento da população.

Fonte: CAMPO GRANDE NEWS


Comentários










Digite o código abaixo:

Trocar imagem


Essa notícia ainda não foi comentada.


« anterior [1] 2 3 4 5 6 7 8 próximo »
19/11/2018 - ESTADO - Publicados novos valores das unidades monetária e de referência do MS19/11/2018 - ESTADO - Governo de MS abre mais de mil vagas para promoção dos servidores das carreiras da PC19/11/2018 - EDITAL DE PROCLAMAS Nº 249716/11/2018 - POLÍTICA - Bolsonaro reitera que decisão sobre médicos cubanos é humanitária16/11/2018 - POLÍTICA - Thompson Flores assina exoneração de Sergio Moro14/11/2018 - POLÍTICA - Com Bolsonaro, Reinaldo Azambuja defende fronteira e reajuste da tabela SUS14/11/2018 - POLÍTICA - FPA debate pauta da agropecuária com futura ministra da Agricultura14/11/2018 - EDITAL DE PROCLAMAS N° 249614/11/2018 - EDITAL DE PROCLAMAS N° 249414/11/2018 - ESTADO - PRF deflagra operação no feriadão com foco em reduzir acidentes graves14/11/2018 - INTERIOR - Estudantes de MS criam dicionário de línguas indígenas e projeto é premiado14/11/2018 - INTERIOR - Traficante abandona carro abarrotado com 820 quilos de maconha na MS-16414/11/2018 - POLÍTICA - Projeto prevê que poder público informe sobre radares eletrônicos14/11/2018 - POLÍTICA - Bolsonaro volta atrás e Ministério do Trabalho será mantido14/11/2018 - POLÍTICA - Bolsonaro recua e deve manter ensino superior integrado ao Ministério da Educação14/11/2018 - POLÍTICA - Ferrovia Malha Oeste será recuperada e concessão deve ser prorrogada, garante Reinaldo14/11/2018 - POLÍTICA - Pesca, agricultura familiar e Incra devem integrar Ministério, diz Tereza14/11/2018 - CAPITAL - Pedestre sofre risco de amputação após ter pena esmagada em atropelamento13/11/2018 - REGIÃO - Construção de casas vai acabar com 12 anos de espera em Paranaíba13/11/2018 - POLÍTICA - TJMS aceita recurso e anula ação contra Nelsinho Trad e ex-secretário