Notícias

2003 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 

POLÍTICA - CCJ do Senado decide sustar decreto que flexibiliza porte de armas

12 de junho de 2019

1210

Plenário da Casa vai se manifestar sobre o assunto

Depois de uma discussão acalorada nesta quarta-feira (12), a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado decidiu rejeitar, por 15 votos a nove, o relatório do senador Marcos do Val (Cidadania-ES) que derrubava sete Projetos de Decreto Legislativo que pretendem sustar os efeitos do Decreto 9.797/2019, editado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) que flexibiliza o acesso da população à armas.

Com a decisão da CCJ hoje, a palavra final sobre o assunto será dada pelo plenário da Casa, para onde a matéria segue com pedido de urgência na tramitação. Nesse caso, o resultado da comissão serve apenas para instruir a discussão com os 81 senadores.

Durante a discussão na CCJ, quatro votos em separado que, na prática, são alternativas ao relatório principal foram apresentados, desses três – apresentados pelos senadores Raldolfe Rodrigues contrários à medida tomada por Bolsonaro e um, apresentado pelo senador Marcos Rogério (DEM-RO), a favor do decreto presidencial.

Contra
Ainda na CCJ o senador Fabiano Contrato (Rede-ES) acusou o decreto de ferir a Constituição Federal e o Estatuto do Desarmamento. "Um decreto presidencial não pode violar uma lei federal. Trata-se de uma ação populista, imediatista, que transfere a responsabilidade do poder executivo de pacificação armando a população", afirmou.

Também contra a norma, a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) avaliou que a medida não cumpre a lei. “O Estatuto do Desarmamento reduziu o número de homicídios. E o decreto muda a espinha dorsal do desarmamento. No país, em 30% dos latrocínios, as vítimas são profissionais de segurança que tentaram reagir. Nos Estados Unidos, de 100 que matam, 60 vão pra cadeia. No Brasil, cinco. Não temos como comparar. A arma é indicativo forte para termos mais violência. O Brasil mata mais que a Síria. Mais armas na mão de brasileiros será mecanismo fácil para mais armas nas mão de bandidos", defendeu.

Favorável
A favor do decreto presidencial, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) lembrou o referendo de 2005, no qual 63% dos brasileiros votaram a favor do comércio de armas de fogo. "Parece que estamos em um paraíso de segurança pública. Os governos desrespeitaram as urnas do referendo e impediram cidadãos de ter acesso a armas de fogo".

"Hoje, vai cair o decreto e vai ser festa na quebrada, nas facções. Só vai piorar para o cidadão. Parabéns, quem está ganhando com isso é o mundo do crime", criticou o líder do PSL, senador Major Olímpio (SP).

Cenários
Caso a decisão da CCJ seja confirmada no plenário do Senado, por maioria simples, a proposta segue para a Câmara, onde será definido se passa por alguma comissão temática, como a CCJ, por exemplo, ou se vai direto a plenário.

Caso o decreto legislativo também seja aprovado pelos deputados, o decreto editado por Bolsonaro perde o efeito imediatamente. Nesse caso, o novo texto deverá prever o que acontece com os que adquiriram armas respaldadas pelo decreto presidencial.

*Colaborou Marcelo Brandão.

 

0004 Instituto Farmacêutico710

Fonte: Agência Brasil


Comentários










Digite o código abaixo:

Trocar imagem


Essa notícia ainda não foi comentada.


« anterior [1] 2 3 4 5 6 7 8 próximo »
19/06/2019 - POLÍTICA - Moro espera que reportagens de site não afetem projeto anticrime19/06/2019 - ESTADO - Três câmaras em MS terão que devolver R$ 480 mil por uso indevido19/06/2019 - POLÍTICA - Bolsonaro sanciona lei de combate a fraudes no INSS19/06/2019 - POLÍTICA - CCJ do Senado ouve Moro sobre conversas vazadas com Dallagnol19/06/2019 - INTERNACIONAL - Trump inicia oficialmente campanha de reeleição19/06/2019 - ESTADO - De MS, Nelsinho e Soraya tentaram salvar decreto das armas de Bolsonaro no Senado19/06/2019 - ESTADO - Piloto sequestrado com avião já foi preso pela PF por tráfico de drogas19/06/2019 - ESTADO - Governo de MS publica decreto que diminui ICMS do combustível para empresas aéreas18/06/2019 - PARANAÍBA - Após sequestrar piloto e roubar avião, ladrões levantam vôo18/06/2019 - DIREITOS HUMANOS - Mais de 3,7 mil comunidades vão receber cisternas a partir de julho18/06/2019 - GERAL - Plano Safra manterá R$ 10 bi de subsídios para crédito rural, diz Tereza Cristina18/06/2019 - GERAL - Bolsonaro ainda não decidiu sobre mudança nos Correios, diz porta-voz18/06/2019 - INTERNACIONAL- Boris Johnson é favorito para primeiro-ministro do Reino Unido18/06/2019 - SAÚDE - Imunoterapia será principal droga contra câncer, diz Nobel de Medicina18/06/2019 - EDUCAÇÃO - ProUni deve divulgar hoje resultado de primeira chamada18/06/2019 - POLÍTICA - Previdência: parecer deve começar a ser discutido hoje na Câmara17/06/2019 - ESTADO - Governo prorroga até 2022 autonomia do Detran-MS para contratar obras17/06/2019 - ESTADO - Cartaz em locais públicos informando direitos de pessoas com câncer vira lei em MS17/06/2019 - INTERNACIONAL - Quênia investiga paciente com suspeita de contaminação por ebola17/06/2019 - GERAL - Universidades vão ajudar na recuperação da bacia do Rio Doce